Argumentum ad hominem

nickdewar

Sabe quando uma pessoa faz um comentário ou uma observação qualquer e, em vez de refutar o argumento, você critica a pessoa? Automaticamente o assunto tratado fica fora de questão, o foco passa a ser quem o está defendendo. Esse erro de raciocínio é tão antigo e comum que tem até um nome: argumentum ad hominem (expressão latina que significa “argumento contra o homem”).

Devia ser óbvio que a validade de um argumento independe de quem o defende, mas não é assim que costuma acontecer com quem não tem como contra-argumentar. Se não se pode contra os fatos, ataca-se as pessoas. Fácil, perigoso, geralmente injusto, mas corriqueiro. É arriscado porque quem muda o foco da discussão geralmente deixa clara a fragilidade de sua linha de raciocínio para os mais atentos, mas adeptos da prática nem sempre se dão conta disso. Aliás, somos todos adeptos da prática (atire o primeiro título de eleitor quem nunca duvidou do que o Paulo Maluf fala só porque era ele quem estava falando), mas alguns ad hominem mais que os outros. Desconfio até que existam viciados.

Esse papo todo é porque, às vezes, quando somos especialistas em algum assunto, acabamos tratando os clientes dessa maneira. O sujeito pede que você repense a solução que está apresentando porque ele não gostou e a tentação que nos acomete é ignorá-lo (o cliente não entende do assunto, é um tosco, não alcança a sua genialidade).
Será que a gente não está subestimando a inteligência alheia? É claro que pode ser um caso de ignorância e mau gosto, mas, depois de se dar conta de como a gente faz isso sem querer no dia-a-dia, talvez fosse mais interessante fazer um esforço e separar claramente as pessoas dos fatos. Ele não gostou? Por que será? Abstraindo o caráter, a cultura e a formação de quem está argumentando, quem sabe a gente pode descobrir que realmente o trabalho poderia melhorar, a solução ainda não está redondinha, que a idéia que ele deu até que pode render.

O que fica difícil de resolver é a crítica pessoal, que não acrescenta nada ao trabalho. Que tal se a gente fizer um esforço coletivo de praticar mais o argumentum e tentar evitar o ad hominem?

Lígia Fascioni | www.ligiafascioni.com.br

Uma resposta to “Argumentum ad hominem”

  1. Dedicio Says:

    Exatamente assim. Quando se julga grande conhecedor de algo, acaba por ignorar opiniões alheias sobre o assuntos, os subjulgando não capazes de dizer qualquer coisa sobre.

    É um defeito humano, mas diria também por um sentimento de auto defesa, por querer sempre novidades e ignorar fatos já conhecidos, que não lhe seriam mais úteis.

    Tem aquilo das pessoas só aceitarem críticas de quem elas respeitam, ou considerem capazes de fazê-los. Daí foi criada a técnica de rapport para melhor convencimento.

    Bom, divaguei bastante, mas adoro esses papos.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: