Segredo não é para contar!

secret.jpg

A coluna dessa semana no Acontecendo Aqui mete a boca em livros de auto-ajuda em geral e “O segredo” em particular. Será que você concorda?

O SEGREDO DO STATUS

22-08-07 Faz tempo que procuro um livro específico sobre teoria das cores e, como freqüentadora contumaz de livrarias, estou ficando cada vez mais irritada. Olho com cuidado, busco, reviro tudo e necas de encontrar o tal livro. Em compensação, acho o tal “O segredo” em verso, prosa, ilustrado, box de luxo, comentado, capa dura, brochura, light, poster, pocket book e até em DVD. Pirâmides enormes. Cartazes impactantes. Uma verdadeira overdose de indiscrição, para uma coisa que se auto-intitula secreta.

Já demonstrei várias vezes aqui a minha resistência assumidamente preconceituosa contra livros de auto-ajuda, mas agora me rebelei e não quero nem saber, resolvi tocar o dedão bem no meio da polêmica.

Não sou nenhuma especialista em filosofia, aliás, meus conhecimentos na área são bem parcos, mas é dela mesma que vou me valer para argumentar. Minha opinião é a seguinte: a auto-ajuda pode até realmente ajudar algumas pessoas (principalmente seus autores), mas, no mais das vezes, contribuem mesmo é para detonar a auto-estima dos incautos. Eu explico.

Assim como o tal “segredo” e tantas outras obras afins, o mantra repetido à exaustão reza que você pode tudo, que mudar a sua vida só depende da sua força de vontade. Se você ainda precisa de ônibus para se locomover, a Playboy não te chamou para posar nua, sua conta bancária não é Personnalité, suas noites de sábado não saem nas colunas sociais, seu marido está te traindo com a vizinha, sua TV não tem 296 polegadas, seus filhos são umas pestes, seu chefe tem mau hálito, você está 15 kilos acima do peso e seu purê de batatas mais parece cola, a culpa é toda sua! Faltou força de vontade! Você não mentalizou o suficiente! Não seguiu os 7 passos! Os livros bradam aos berros (com ou sem ilustrações): sua vida só é uma droga porque você quer! Ou seja, o ser humano normal que não freqüenta a capa da Caras pode escolher entre se achar burro, masoquista ou incompetente.

Então, o que nos resta? Escondida lá no fundo da livraria, a Marilena Chaui, no excelente “Convite à filosofia“, explica que um dos legados mais importantes da filosofia grega para o pensamento ocidental é a formalização da diferença entre o que é necessário (o que não pode ser senão como é) e o contingente (que pode ou não ser). Além disso, os gregos nos ensinaram que o contingente pode ser dividido entre o acaso e o possível.

Olha só: o necessário é aquilo que a gente não pode escolher, pois acontece e vai acontecer sempre, independente da nossa vontade. Assim, sempre haverá dias e noites; o tempo vai passar; todas as coisas serão atraídas pela gravidade; você vai morrer algum dia.

Já o contingente é aquilo que pode ou não acontecer na natureza ou entre os homens. Quando o contigente é do tipo acaso, também não está em nosso poder escolher. Exemplos de acaso: não posso determinar se um motorista bêbado vai ou não abalroar meu carro e provocar um acidente; não posso optar por ser ou não assaltado; também não posso arbitrar que meu pai seja ou não um jogador compulsivo nascido na Croácia.

Que coisa, heim? Então posso escolher nada? Bem, pode. É justamente por isso que existe o segundo tipo de contingente: o possível. O possível é tudo aquilo que está em meu poder mudar ou não. Posso optar por fumar ou não; posso ficar até mais tarde estudando ou vendo televisão; posso ouvir uma fofoca calada ou contar para todo mundo; posso ler o texto até o fim ou parar por aqui.

Sacou como os gregos eram espertos? Essa estrutura lógica de pensamento nos permite concluir duas coisas importantíssimas: nem somos guiados cegamente pelo destino, daquele tipo “o avião caiu porque Deus quis”, nem tampouco podemos tudo, mover céus, montanhas e mares ao sabor dos nossos desejos. Algumas coisas a gente pode mudar, outras, não!

Uma parte das coisas depende realmente da nossa força de vontade, da definição de objetivos, de nossas ações; mas outra parte, não desprezível, depende do contexto, está fora de nossa alçada. Veja só: adoro ler porque cresci em uma casa cheia de livros. Meus pais escolheram isso, apesar de nenhum dos dois ter tido oportunidade de fazer um curso superior. Que mérito há em me comparar com alguém que nasceu em uma favela e engravidou do primeiro filho aos 13 anos? As condições são absolutamente diversas, não se pode medir forças de vontade de maneira tão rasa e simplista!

Alain de Botton, um professor de Filosofia da London University, publicou “Desejo de Status” justamente falando sobre a situação constrangedora com que a modernidade acabou envolvendo a maior parte da população do mundo. Um dos grandes paradoxos que criamos é que os nossos ideais de igualdade democrática contribuíram ainda mais para a desigualdade. Em toda a história, por razões diversas, sempre houve pouca gente com muita coisa e muita gente com quase nada. Mas se antes, pelo sistema de castas ou pouca mobilidade social, o sujeito era um pobre camponês porque tinha nascido assim, era o seu destino, não havia muito o que fazer a respeito, na nossa pseudo igualdade ele é um incompetente. O pressuposto é de uma simplicidade cruel: se todos nasceram iguais e com o destino nas próprias mãos, então o sucesso de uns poucos deve ser resultado de seu talento e força de vontade. Já a miséria, as dificuldades e o fracasso social são culpa exclusiva dos ineptos e incapazes.

A busca pelo status e pelo reconhecimento é angustiante. O sucesso é medido por dinheiro, beleza, poder e fama. O tal “segredo” ensina você a ganhar milhões ou conseguir o emprego dos sonhos. O livro ao lado ajuda você a conseguir um marido rico. O outro, a perder muitos quilos sem sacrifício. A referência passa a ser o que os outros consideram o ideal, não você.

É, gente, aquela gordinha solteira que não quer fazer uma pós-graduação, acha normal ser empregada e considera o Uno Mille um carrão, só pode ser uma acomodada da pior espécie, merece mesmo todos os males que a afligem.

E sabe o que é pior? Em vez da Marilena Chaui ou do Alain de Botton, as pessoas insistem em dar para ela livros do tipo “o segredo” no natal. Ninguém merece.

Anúncios

2 Respostas to “Segredo não é para contar!”

  1. Ênio Padilha Says:

    Sem exageros, Ligia Fascioni é uma das autoras mais inteligentes que eu tenho tido o privilégio de ler nos últimos tempos! Dá de quinze a zero em nomes famosos como a Lya Luft e emparelha com monstros como Cláudio de Moura Castro.

    E ainda por cima é engenheira!

  2. Marcelo Zanzotti Says:

    Necessariamente contingente, casualmente possível.

    Filosoficamente definidos, o que é e não pode deixar de sê-lo recebe a denominação de necessário, enquanto o restante é contingente. Entre os elementos contingentes, há aqueles que não podem ser alterados de forma alguma pelo homem – casuais – e os que são moldados pela intervenção humana, os possíveis. Seguindo essa orientação, atuamos dentro do universo das possibilidades, ficando à mercê do acaso.

    Ocorre que, muitas vezes, temos a nítida sensação de que nossos pensamentos têm a capacidade de alterar o resultado de eventos tecnicamente casuais. Como em um labirinto, em busca da saída, a atitude é fundamental: ficar parado certamente não resolverá o problema. Sem referências, andando a esmo, pode ocorrer de nos deparamos com a saída, pode acontecer de ficarmos indefinidamente andando sem encontrá-la. Mas a probabilidade de sucesso neste caso é de 50%; ficando parado, nula.

    Em nossas vidas, em meio ao caos das oportunidades cotidianas, ao emaranhado de possibilidades de escolha, muitas vezes nos deparamos com problemas aparentemente insolúveis, situações limite, daqueles que nos fazem perder noites de sono, que deixam nosso cérebro dando voltas e tornando sempre ao ponto inicial. Então entra em cena a questão da atitude, a postura perante a vida. Podemos encarnar o monge tibetano e esperar as coisas se resolverem por si. Podemos encarar os problemas de frente e, como em um pega-varetas, ir puxando devagarzinho cada palitinho e torcendo para que os demais não se esparramem pelo chão.

    Há os que prefiram chutar logo o balde e derramar todo o leite, antecipando uma tragédia que talvez nem viesse realmente a ocorrer. Em suma, a todos é dado o livre arbítrio. As escolhas são individuais e intransferíveis. O que sobrevêm é o preço a ser pago pelas escolhas feitas. Se acertadas e parcimoniosas, a bonança. Se impulsivas e mal pensadas, a tempestade.

    Cada um vive seu drama pessoal e sabe os motivos que trazem bons ventos, que inflam as velas de sua vida, ou os furos no casco, que começa a fazer emborcar o velho barquinho da existência. Até aí, nenhuma novidade, somos frutos das escolhas feitas a cada momento. A novidade é que sempre há oportunidade para correções de rota, aferição de bússola, parada estratégica no porto mais próximo, planejamento de viagem, substituição da tripulação e, principalmente, intuição para perceber que a brisa se transformará na lufada que impulsionará o veleiro pelas águas da felicidade.

    Necessariamente contingente, a vida oferece ao acaso um universo de possibilidades…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: