Caça à raposa

library-2789.jpg

Sábado de manhã, enquanto dava uma lida nos jornais e conferia os meus e-mails, fiquei sabendo que estava rolando o Festival Internacional de Balonismo de Torres, RS. Antes das 3 da tarde, meu marido e eu já estávamos na estrada, rumo a um final de semana diferente.

Não conhecíamos Torres, que fica a 270 km de Florianópolis, na divisa com o Rio Grande do Sul. A cidade é uma graça, um balneário muito charmoso. O Festival de Balonismo é que ficou devendo, não por falta de balões, que eram lindos e muitos, mas porque a organização não era lá muito comunicativa e didática com os leigos no assunto. Mas vamos primeiro à cidade!

2736.jpg
Que tal tomar sorvete nessa inusitada companhia?

2739.jpg
Uma sorveteria surreal. Haverá outra assim no mundo?

2742.jpg
Vista da praia de Itapeva de cima do Parque da Guarita.

2752.jpg
Essa igrejinha é uma graça.

2751.jpg
Vista florida.

2755.jpg
A Prainha vista do Morro do Farol.

2760.jpg
Mais uma vista do Morro do Farol.

Mas vamos ao Festival de Balonismo… bem, chegamos à cidade com o sol posto e sabíamos, pela programação do site www.festivaldebalonismo.com.br que às 7 da manhã do dia seguinte haveria a primeira prova do dia. Eles fazem uma carreata à noite com o carro de bombeiros e os balonistas, é bem divertido. Dormimos cedo para não perder a hora e estávamos na arquibancada do parque antes do café da manhã (tinha bastante gente) para ver os balões decolarem ao nascer do sol (pelo menos era o que a gente imaginava). Havia várias pickups na arena com as cestinhas dos balões e os participantes. Esperamos até quase 8 horas sem que nada acontecesse, quando todos os carros saíram ao mesmo tempo. O pessoal da arquibancada ficou meio frustado e resolvemos tomar café e voltar depois. Quando retornamos, pegamos os últimos balões passando pela arena – a prova consistia em jogar um objeto em pleno vôo e tentar acertar o alvo no chão. Pena que a organização não avisou aos espectadores novatos que, após verificarem o vento e iniciarem a prova, os balões poderiam decolar de onde quisessem (em qualquer ponto da cidade). Por isso perdemos as decolagens!

Logo em seguida, foi anunciada a caça à raposa. Fomos novamente para a arquibancada cheia para ver o que aconteceria. Um pouco irritada e sem informações, procurei alguém da organização que soubesse explicar como as coisas funcionavam, já que o locutor da festa era um mero animador de torcida. Depois de procurar bastante, descobri que a tal caça à raposa funciona assim: um balão faz o papel de raposa e decola primeiro para se esconder em algum lugar da cidade. Os demais, depois de passarem pela prova anterior, vão procurar a raposa. Quem pousar mais perto dela ganha a competição. Deve ser muito legal, imagina só um balão colorido tentando se esconder!!!! Mas o que nós e aquele monte de otários estávamos fazendo na arquibancada? Deveríamos estar pela cidade procurando a raposa também! A organização ignorou completamente os visitantes, que ficaram todos frustrados.

library-2765.jpg

library-2767.jpg

library-2770.jpg

library-2773.jpg

library-2775.jpg

library-2776.jpg

library-2777.jpg

library-2784.jpg

library-2778.jpg

library-2790.jpg

library-2792.jpg

Bom, pena que a gente tinha que voltar à tarde e não podia ficar mais. Mas agora que já sabemos como as coisas funcionam e o que afinal é a tal “caça à raposa”, estamos prontos para voltar no ano que vem e aproveitar muito mais!

Anúncios

Uma resposta to “Caça à raposa”

  1. Clô Fascioni Says:

    Muito bom. Morri de inveja…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: